segunda-feira, 10 de junho de 2013

LIBERDADE

LIBERDADE

Algemas prendem meus pulsos frágeis...
IDEALISTA, ROMANTICA, SONHADORA.
Massas esmagadoras, contraditórias,
Que nem mesmo sabem no que acreditam,
Tiram-me o direito de revelar minha face.

Direito...
Apenas direito de ser eu mesma,
Não apenas num instante,
Contrariando os perfis impecáveis, a mim imposta,
Acreditando e revelando meus genuínos pensamentos.

Meu avesso, revela intocável,
Sem o toque dos manipuladores.
Esquadrinho meus pensamentos,
Descubro pureza na alma,
Sou eu mesma, sem as manobras dos seres.

Idealizo... Sublime concretizo,
O real valor do genuíno.
Sem os aplausos das massas,
Conformismos dos fracos,
Seguirei meu caminho, resoluto,
Sou um ser pensante, nada me detém.

Sonho... Idealizo um mundo melhor,
Que não sufoque os anseios, a essência.
Amo com a mesma forca que vivo,
Discriminada sou, por não ser como a maioria,
Sou autêntica, inconformada com a mediocridade,
Quero minha liberdade, preciso da minha alforria.

Liliane Castanha
______
Imagem: A Condição Humana, de René Magritte

4 comentários:

  1. Lindo!^.^
    Naná Gaia!

    ResponderExcluir
  2. Essa poesia é realmente muito bonita, Naná. É a filha, minha irmã Liliane Castanha, seguindo a trilha poética do pai.

    ResponderExcluir
  3. Somos sujeitos, ora de grande valia para uns, ora de invalidez para outros. O que somos e o que acreditamos ter relevância, nos dá força para desmistificar essa massa que "acredita saber" o que ainda não sabem. A elas sim, dedico essa alforria, para libertarem suas almas, suas mentes, ou seja, para desvincularem da vida que não as pertencem...

    ResponderExcluir
  4. Falou muito bem Jane. Oxalá alcancem essa libertação, afim de que, além de se libertarem, deixarem de colocar o fardo de seus olhares e opiniões sobre os outros.

    ResponderExcluir